sábado, 19 de setembro de 2015

descoberta

    Ele estava deitado na cama, cansado, mas esperando que eu fizesse algo. Fui me espreitando pela cama, como uma fera indo devorar sua presa.
    Comecei lambendo seus pés e fui subindo, mordendo, lambendo e beijando suas pernas. Cheguei em sua virilha, lambi somente com a pontinha da língua e vi seu pênis já latejando. Mas resolvi deixa-lo com mais expectativa e não chupá-lo de imediato.
    Desci as lambidas até seu escroto, enfiando-o na boca e chupando, e subindo para a outra virilha. Seu pênis pulsava, implorando pra ser chupado, já pingando por minha boca.
    Desci novamente ao seu escroto, e resolvi ousar descendo um pouco mais. Quando comecei a lamber seu períneo, ele abriu suavemente as pernas, como quem se finalmente se entrega.
    Não aguentei de tesão e chupei com força seu pau, enlouquecida com aquele cheiro e aquele gosto. Mas quando vi que ele estava prestes a gozar, resolvi experimentar levá-lo a um grau ainda maior de prazer: desci novamente ao seu escroto e seu períneo. Ele deu um pequeno gemido de prazer e abriu ainda mais as pernas, autorizando que eu fosse além.
    Fui descendo ainda mais as lambidas, esperando seu sinal do limite. Soprei de leve seu ânus, e pra minha completa surpresa ele escancarou suas pernas, me dando completa liberdade de prosseguir.
Lambi seu ânus, lambi seu períneo e finalmente enfiei minha lingua em seu ânus.
    Ele gemia e se debatia de tesão, e eu compreendia porque era exatamente o tesão que eu sentia quando ele me penetrava.
Ele não se masturbou, ele nao relutou. Apenas se abriu e se entregou. Quando percebi que ele tinha chego ao seu clímax, emborquei em seu pênis, permintindo-o gozar finalmente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário