sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Pit Stop

    Trabalhei até de madrugada. Estava frio, meus olhos fechavam e eu só pensava em ir embora, deitar na minha cama quentinha.
    Ele me mandou uma mensagem, dizendo que queria me ver. Estacionei onde eu estava, sem pensar duas vezes. Ele foi ao meu encontro e saímos em seu carro. Estacionamos na primeira rua que passamos, pois a princípio só iríamos matar um pouco a saudade.
    Nos agarramos loucamente, ele ficou um pouco receoso pois estávamos numa rua movimentada. Abaixei quase que instantaneamente, com ele relutando, e o chupei freneticamente. Ele estava um pouco constrangido pelo horário, por achar que não estivesse cheiroso o suficiente,e ficou tentando se esquivar. Aquele cheiro não me permitia pensar em mais nada. Eu fiquei hipnotizada, só pensava em chupá-lo mais e mais. Fiquei ali, chupando,e sugando e lambendo, lambendo seu escroto, beijando sua virilha.
    Quando ele estava quase gozando, ele segurou minha cabeça para que pudesse ejacular em minha boca. E assim, nao me soltou. Foi a primeira vez que deixei alguém gozar na minha boca, e seu gosto era doce e másculo.
    O frio virou calor. O cansaço virou satisfação. E fiquei com seu gosto na boca até o outro dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário